sábado, 4 de agosto de 2012

Desmatamento na Amazônia cai 23% em um ano

O desmatamento na Amazônia Legal caiu 23% entre agosto de 2011 e julho de 2012, na comparação com o mesmo período do ano passado. Em números absolutos, significa que menos 700 km² foram desmatados, de acordo com os dados do Sistema de Monitoramento em Tempo Real (Deter).



Os alertas registrados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) mostram que no período foram desmatados 2.049 km². Os dados foram anunciados nessa quinta-feira (2), pela ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira.


Nos últimos quatro meses, a taxa de desmatamento reduziu 49% em relação ao mesmo quadrimestre de 2011. Entre abril e julho de 2012 a área desmatada foi de 652 km². A manutenção ou redução da taxa de desmatamento local foi identificada pelo Deter em todos os estados da região, com exceção de Roraima. A maior queda aconteceu no Maranhão (67%), seguido pelo Amazonas


Em 2011, nuvens cobriram parte significativa das imagens captadas pelos satélites, o que comprometeu o resultado do monitoramento do desmatamento em Mato Grosso, em junho. Este ano, as nuvens encobriram apenas 16% das imagens captadas pelo satélite no mesmo mês.


Satélite - No final deste ano, será lançado o novo satélite Cbers3, como resultado de uma cooperação com a China. A expectativa é que o satélite entre em operação em janeiro de 2013. “Com isso, poderemos contar com informação em muito mais alta resolução espacial. Vamos ter um monitoramento constante e semanal, podendo detectar pequenos desmatamentos de vários hectares”, explicou o secretário de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, Carlos Nobre.


Atlas interativo da Amazônia Legal está disponível na internet


As informações utilizadas no Macrozoneamento Ecológico-Econômico (MacroZEE) da Amazônia Legal estão disponíveis para pesquisadores, estudantes e gestores públicos por meio de software disponível na página do Ministério do Meio Ambiente (MMA) na internet. O Atlas Interativo pode ser utilizado gratuitamente para a elaboração de análises ambientais e territoriais da região.


O usuário pode selecionar e cruzar dados como as principais atividades produtivas da região, empreendimentos de infraestrutura, áreas protegidas, entre outras informações acessíveis. A ferramenta possui também interface com todo o catálogo de informações disponíveis no I3Geo (Interface Integrada para Internet de Ferramentas de Geoprocessamento) do MMA, de outros órgãos públicos e com os sistemas Google Maps e Google Earth.


Texto e imagem enviados à Sala de Noticias pelo "Em Questão" Editado pela Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República.